Relato de parto: Manuella e Lucas

“Tive 3 gestações no meu casamento, entre os 28 e os 29 anos, a primeira natural, a segunda com indução de ovulação e a terceira de FIV, com o “monstro” Roger Abdelmassih. Sofri aborto espontâneo em todas elas, antes da 10a semana, sendo o primeiro (devastador) após uma briga com meu marido. O casamento findou por acabar e, a despeito da dor, eu me consolava dizendo a mim mesma que era nova e ainda teria muito tempo para ter filhos.
Embora tenha chegado perto, não me casei novamente e, aos 36 anos, decidi congelar óvulos. O médico disse que era um procedimento novo, sem números de sucesso, e me convenceu a congelar, também, embriões (de sêmen de doador). Fiz a estimulação e metade dos óvulos foram inseminados e a outra metade, congelados. Os embriões não se desenvolveram e, apesar da sugestão médica para “tentar de novo”, eu recebi aquilo como “mensagem divina” e só mantive os óvulos congelados. Aos 39 anos, tive duas gestações naturais, de um namorado e, mais uma vez, as perdi antes da 10a semana, a primeira no meio de uma viagem internacional e a segunda no caos de um processo ético-disciplinar que eu estava conduzindo. Com 40, decidi que ia ter um filho sozinha. Fui chamada de louca por muitos, inclusive meu pai, mas estava decidida. Fui ao Rio, a São Paulo, ao Espírito Santo… gastei o que tinha e o que não tinha… fiz seis ciclos completos de Fertilização In Vitro… e implantei embriões umas 16 vezes (entre 1 e 4, cada). Foram anos de frustrações, com a família me pedindo para parar de tentar, receosa de que eu tivesse um câncer por tomar muitos hormônios. E eis que aos 43 anos eu engravidei do Lucas, nome escolhido em homenagem à minha mãe, que falecera 17 anos antes. Foi uma gestação tranquila, sem complicações. Vim de Brasília para Maceió entre a 34a e a 35a semana, e fui parar na maravilhosa aula de Pilates da Damy e nesse grupo incrível.


Passei 9 meses me preparando para um parto normal. Se quando mais nova tinha muito medo, agora tudo o que eu queria era viver a experiência de parir meu filhinho tão desejado! Fiz cursos, li livros, fiz ioga para gestantes, fisioterapia pélvica e pilates. Estava tranquila, consciente do que me esperava. E eis que na madrugada do dia 29.9, 2 semanas antes do previsto, minhas contrações começaram. Como  eu sabia que era um processo longo, nem disse nada a ninguém, até umas 6 da manhã. Às 7, liguei para a obstetra e ficamos de nos encontrar às 8, na Santa Casa. Na porta de casa, a bolsa rompeu. As contrações, no entanto, diminuíram de intensidade e eu não tinha dilatação. Ainda assim, finquei o pé e pedi para aguardar duas horas, após as quais eu continuava sem dilatação. Assim, independentemente de todos os planos prévios, Lucas nasceu de cesárea às 11:08 do dia 29.9, pelas mãos dos competentíssimos Drs. Robertta e Telmo, sem que a fotógrafa chegasse e com minha avó no centro cirúrgico, a tentar mudar o voto do Dr. Telmo para presidente. Foi uma lição do não controle. Como Lucas nasceu “cansado”, foi levado para a UTI e eu não tive como pedir que deixassem para clampear o cordão depois, não pude colocar ele logo no peito, não tive como impedir o colírio de nitrato de prata (que presenteou ele com uma conjuntivite).

Mesmo assim, foi lindo e único. Junto com o Lucas, nasceu uma mãe leoa, capaz de brigar para que não lhe dessem mamadeira nem na UTI, apta a passar muitas noites em claro com um bebê cujas cólicas não começaram na terceira semana, mas no terceiro dia. Lambo a cria o tempo todo, desde então, e, juro, meninas, não me lembro de ter me sentido assim, tão feliz, antes…”

Manuella Nonô
mamãe do Lucas

Escrito por
Mais posts por due

Maceió recebe evento inédito de Arquitetura e Design

O que faz de uma experiência algo único? A premissa de que...
Ler Mais