ONG QUE TREINA CIDADÃOS PARA PRESTAR PRIMEIROS SOCORROS INAUGURA SUA SEDE EM MACEIÓ

O grupo Parceiros da Vida atua na disseminação do conhecimento das técnicas de Suporte Básico à Vida – SBV, mais conhecido como primeiros socorros. Atua na cidade de Maceió, capital do estado de Alagoas, desde 2007. É formado por profissionais da área da saúde, membros do Corpo de Bombeiros, SAMU, Policiais Militares e também de representantes das mais diversas áreas de atuação, que se capacitaram como socorristas e agora trabalham na multiplicação desse conhecimento.

Hoje formalizado como ONG o Grupo Parceiros da Vida, surgiu da inquietação do médico Luiz Antônio Mansur, que faz parte da equipe do SAMU, ao observar o número de vidas que não conseguiam ser salvas pela equipe de atendimento de socorro. “Observei que muitas vezes quando chegávamos ao local do incidente à vítima já havia ido a óbito. Muitas vezes por falta de um socorro básico, como a desobstrução das vias aéreas”. Mesmo nos centros mais desenvolvidos do mundo, uma equipe de APH (Assistência Pré-Hospitalar) não chega antes de 5 minutos após a ocorrência de um incidente. Uma comunidade bem informada e preparada pode ser a chave de melhores resultados nos Atendimentos Pré-Hospitalares, favorecendo uma resposta imediata e adequada a um agravo, de maneira a garantir as vítimas uma chance de esperar pela chegada de uma equipe de Atendimento Pré-Hospitalar, especializada, aumentando a probabilidade de sobrevida.

O primeiro trabalho dos Parceiros da Vida foi na reestruturação do posto médico do principal centro de compras de Maceió, em 2007, quando o médico Luiz Mansur, fez uma análise da estrutura de atendimento e encontrou algumas falhas, entre elas a falta de um desfibrilador – equipamento utilizado para casos de parada cardíaca, quando o coração encontra-se em desfibrilação. O instrumento foi adquirido pelo shopping e pouco tempo depois foi fundamental no socorro a uma pessoa com ataque cardíaco, que só resistiu pela rapidez do atendimento.

Além das mudanças nos equipamentos e estrutura física, todos os profissionais       da brigada de incêndio e seguranças receberam treinamento, tornando-se assim, Parceiros da Vida.

Mas os Parceiros da Vida não se limitam apenas ao serviço de capacitação, os 50 voluntários, se colocam em ação nos mais diversos momentos em que reconhecem  podem ser úteis. “Estamos sempre atentos aos chamados de emergência, dependendo da distância em que estivermos do incidente nos direcionamos ao local, para auxiliar as forças maiores do estado, como SAMU e Corpo de Bombeiros”, explica Sheyla Scala, presidente do PAVI.

Eles também atuam em ocorrências de grandes proporções, como o desabamento do Cilo do Moinho Motrisa, que atingiu a toda população que mora no entorno da empresa. Nessa ocasião os Parceiros da Vida não agiram como socorristas, fazendo o atendimento de SBV. Como não houve um número grande de feridos, eles concentraram-se em prestar apoio às diversas equipes envolvidas, seja no atendimento aos moradores, técnicos que vistoriavam a área avaliando o perigo de um novo desabamento, equipes de trânsito, entre outras. “Quando chegamos ao local soubemos, que apesar da gravidade do acidente, não tínhamos vítimas e passamos a colaborar no atendimento as famílias de moradores que resistiam à orientação da Defesa Civil de que deixassem suas casas. Também somamos forças com o CAVIDA para auxiliar com apoio de psicólogos aos mais abalados. Fomos até em busca de água para hidratar os inúmeros profissionais e voluntários que trabalhavam nos primeiros momentos sem nenhum suporte nesse sentido”. Sheyla Scala.

Em seis anos de existência a ONG Parceiros da Vida já capacitou 1600 pessoas, entre crianças e adultos, cidadãos comuns, e profissionais de áreas cujo domínio desse conhecimento é fundamental por conta do risco iminente de acidentes. Já foram ministrados cursos para os profissionais do Maceió Shopping, condomínios, escolas, igrejas do municio de Maceió. Em 2011 o grupo também realizou, em parceria com o Corpo de Bombeiros, SAMU, Polícia Militar e BOPE, uma simulação de acidente aéreo, com estudantes e profissionais de saúde. No caso de um acidente aéreo, o conhecimento de SBV por parte dos próprios tripulantes, também pode fazer a diferença no processo de salvamento, especialmente no caso de queda em locais de difícil acesso.

Apesar da relevância do trabalho exercido pela ONG Parceiros da Vida, a mesma sofre com as dificuldades comuns a maioria das iniciativas deste porte no Brasil. Com as doações escassas, cabem aos próprios voluntários os custos operacionais e investimentos em equipamentos para a realização dos cursos e prestação de socorro. O local para guarda dos materiais e reuniões também era uma dificuldade. A ONG mudava de endereço cada vez que um parceiro deixava de arcar com o custo do aluguel da sede.

Na última sexta-feira, (25), finalmente a ONG Parceiros da Vida pode comemorar a inauguração da sede própria, que passa a operar na Rua Tereza de Azevedo 315- A, na Gruta. Durante o evento outra notícia deixou o Grupo ainda mais confiante no futuro das ações. Os empresários Felipe Monteiro e Pedro Pass, da FMX Sports, que realiza Corridas de Rua, fechou uma parceria com a ONG e vai doar R$ 1,00 (Hum real), a cada inscrição realizada nas diversas corridas que a empresa vai realizar em 2014. “Nosso objetivo é fazer parte deste movimento tão fundamental para salvar vidas. Trabalhamos com esporte e saúde, e isso é vida. Vamos começar dando esse apoio, mas nosso desejo, e queremos realiza-lo em breve, é ativar nosso grupo de relacionamento e conseguir uma ambulância para ONG”. Afirmou Pedro Pass, sócio da FMX Sports.

A FMX Sports tem a previsão de realizar cerca de 10 mil inscrições até o final de 2014.

Com a sede própria oficialmente inaugurada os Parceiros da Vida poderão receber interessados em se tornar voluntários, atender aos chamados de socorro e pronto de atendimento, como também receber interessados em parcerias para realização de cursos de capacitação de novos “Parceiros da Vida”.

Voluntarios da ONG Parceiros da Vida com novo uniforme

Atendimento em atropelamento de moto

Desabamento do Cilo do Moinho Motrisa


SOBRE SBV – Suporte Básico à Vida

Apesar do efeito potencial benéfico da ressuscitação cardiopulmonar (RCP) já estar bem estabelecido, menos de uma em cada três vítimas de parada cardiorrespiratória (PCR) fora de ambiente hospitalar, testemunhada, recebe ajuda de salvamento de um espectador. No Brasil, estima-se que anualmente ocorra em torno de 200.000 PCR, sendo metade dos casos em ambiente extra-hospitalar. Em 2004, a American Heart Association (AHA) recomendou que as escolas americanas estabelecessem uma meta para treinar todos os professores e estudantes em RCP3 em consonância com as orientações da International Liaison committee on Resuscitation (ILCOR), que um ano antes recomendou enfaticamente a inclusão do Suporte Básico de Vida (SBV) no currículo escolar. Desde essa época, muitos estados americanos e alguns países europeus vêm implementando na grade acadêmica dos alunos do nível médio o treinamento em PCR e o uso do desfibrilador externo automático (DEA), a exemplo da Noruega, que desde o início da década de sessenta vem promovendo de forma compulsória o ensino de SBV às crianças na idade escolar.

Escrito por
Mais posts por due

8ª Edição da Revista DUE traz entrevista exclusiva com Romero Britto

Desabrochando como a primavera e brilhando como o verão, as páginas chegam...
Ler Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *