O peso do pássaro morto – Crítica

O Peso do Pássaro Morto é o primeiro livro da escritora Aline Bei. A obra foi publicada em 2017 pela Editora NÓS e em 2018 venceu o Prêmio São Paulo de Literatura.

Não sei bem dizer se é uma poesia que parece um romance ou um romance que parece poesia, o que sei é que este livro tem o poder de tocar a nossa alma e nos fazer refletir sobre a vida e ter mais empatia, afinal não sabemos do peso que cada pessoa carrega.

Achei interessante como a autora faz o leitor se apegar a uma personagem da qual nem mesmo sabemos o nome. O livro traz a história (contada em primeira pessoa) da vida de uma mulher, dos 8 aos 52 anos – os capítulos são separados por idade e em cada um deles acompanhamos as perdas, os sentimentos e as
dores dessa personagem que viveu em busca da paz consigo mesma.

Criamos um vínculo com a protagonista, pois ao ler acompanhamos o seu crescimento e, mesmo não tendo passado pelo mesmo que a personagem, conseguimos nos identificar com ela em seus diferentes momentos de vida.

O Peso do Pássaro Morto aborda temas pesados como a morte e depressão, mas que são passados com uma sensibilidade que me fez pensar na fragilidade da vida, como ela é passageira e como no fim não somos nada.

“entendendo que o tempo sempre leva as nossas coisas preferidas no mundo e nos esquece aqui olhando pra vida sem elas”
– Trecho do livro.

Em suas 165 páginas, o texto possui ritmo e a escrita é feita de forma fragmentada, mas ao mesmo tempo fluida. É interessante também como acontecimentos de diferentes épocas da vida da personagem acabam se interligando em algum momento. Além disso, a narrativa nos deixa com a sensação de que alguns deles poderiam ter sido evitados, me peguei pensando mais de uma vez: “poxa, se tal coisa não tivesse sido feita, isso poderia não ter acontecido.”

O livro se assemelha muito com a vida, pois com uma combinação de palavras simples e palavras duras, traz em sua história um misto de sutileza e dor. E quantas mulheres já passaram pelo mesmo que essa personagem anônima passou e nós nem sabemos…

Com uma escrita completamente diferente dos livros que já li, o Peso do Pássaro Morto é uma leitura agradável e rápida. Normalmente evito ler livros que me façam chorar, mas não me arrependo de ter lido essa obra, uma obra que nos faz enxergar as pessoas com mais amor e admirar a leveza da vida. Com certeza valeu cada lágrima!

Então, que tal separar os lencinhos, fazer um chá ou um cafezinho e desfrutar dessa leitura?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.