O que falta para nos sentirmos em casa na nossa própria pele?

"Eu sou assim, eu aceito e me amo por ser assim! E mais, me perdoo por ter me negado de mim." Foto: Amanda Bambu para Projeto Florescer

A partir de reflexões da leitura do livro Mulheres que correm com os lobos, livro o qual considero que toda mulher deveria em nome do seu feminino, ler, Começo essa reflexão a partir do capítulo 7 – O corpo Jubiloso: A carne selvagem.

O que falta para nos sentirmos em casa na nossa própria pele?

O ponto de partida é fazer o caminho de volta e entender primeiramente a cultura que nega o REAL corpo feminino, esse corpo jubiloso. A décadas nos mutilamos quando olhamos o corpo como qualquer coisa, quando definimos o que é um corpo bom ou um corpo ruim, corpo certo ou corpo errado, por ser gorda, magra ou musculosa.

É muito importante integrar na nossa vida a ideia de que nosso corpo é um gerador de memórias, e ele se expressa através do que guardamos, o corpo é expressão e memória.

Como você vem tratando esse corpo? Qual é o seu objetivo com o corpo? Que memórias esse corpo carrega? De que forma ele se expressa?

Fazendo-o caber em um 34, 36 ou um 38?

A cultura que vivemos faz acreditar que temos que ser de uma forma, de um jeito específico. E o que você construiu sobre seu corpo? Qual o espaço que ele ocupa? Como você se nutri? O que essa sociedade te ensinou sobre as percepções de valor em relação ao seu corpo? Seu corpo é o certo ou o errado?
Quais crenças você carrega que te impede de viver uma relação mais amorosa com esse veículo?

As transformações que precisamos vem através do corpo.

Enquanto enxergarmos o corpo, a mente e o espírito como elementos independentes, haverá um distanciamento daquilo que nosso coração precisa e deseja, necessidades essas muitas vezes inconscientes. Bom, é evidente que nosso corpo é para o mundo, no sentido de ser veículo, mas ele também é sagrado. E quando você reconhece o que faz com ele é o que torna-o sagrado, esse movimento te auxiliará na transformação. Somos corpo porque nossa experiência é corporal, é física. E como nós olhamos para esse corpo?

Nosso corpo traz a linhagem da nossa ancestralidade, se odeio meu corpo feminino, odeio o corpo feminino da minha mãe, afinal herdamos o biotipo dela. Percebam que a relação com esse corpo vai além do que nossa sã consciência pode sequer imaginar.

E a beleza, o que ela é para você?

Minhas irmãs, nosso desafio é crescer fora do padrão. Sair do paradigma de que nosso valor está na aparência e não em quem somos verdadeiramente.

O que acontece na psique feminina é o mesmo que acontece na natureza, na cultura. Desejam esculpir o corpo da mulher para o que eles desejam e precisam. E essa angustia cruel que carregamos sobre o corpo nos rouba a possibilidade de darmos atenção e criar coisas que realmente importam.
A gente não pode fazer nada em relação aos crimes para com a nossa cultura, e nossa natureza (pois fazem o mesmo com ela, extraindo, garimpando, tirando o poder dessa fonte de vida), mas temos autonomia para com o nosso corpo que é a chave para revolução.

Assumir o direito sob nossos corpos é revolucionário, é aceitar quem somos!

Começamos a mudar o mundo quando não abrimos mão da alegria do corpo natural, ao se recusar a comprar a ilusão popular de que felicidade só será possível se tivermos uma determinada configuração de corpo ou uma certa idade.

Mulher, não se prive, não se separe, receba a vida real, viva essa vida com todo vapor, sem se restringir a algo externo, é assim que começamos a mudar a atitude na cultura que nega o feminino e seu corpo real. Porque quando as pessoas estão radiantes elas são lindas, belíssimas, independente do seu corpo. Nosso corpo não é mármore para ser esculpido.

O que na sua fala valida essa cultura de que um corpo certo é um corpo forte, bunda dura sem estrias e celulite, barriga de tanquinho, cabelos lisos, seios duros e empinados, e uma cinturinha de pilão? Percebe o quanto isso é cruel e deslegitima o propósito real de um corpo? Você sabe para que serve esse corpo?

Segundo a Rainha Clarissa Pínkola Estes (vamos exaltar esse mulher porque ela merece né), o propósito do corpo é conter, dá suporte, ter e fazer a ignição do Espírito e da Alma dentro dele. É ser o repositório da memória, e nos preencher com a sensação, ou seja com a nutrição psíquica suprema, com nossa capacidade de SENTIR. Através do corpo podemos ter experiências para além do corpo, mas que só é possível porque existe esse corpo. Sem corpo, sem experiência.

Se você se trata bem, faz escolhas saudáveis, sua relação com o feminino falará por si só.

Porém existe a auto aniquilação disfarçada de auto cuidado. Odeio tanto o que eu sou que tento o máximo de controle para conseguir extrair disso os pontos que eu não gosto. E aqui jaz claramente os traços de uma cultura que nos coloca contra nosso corpo.

Quer saber como você está? Não pare pra pensar, não passa pelo racional… Sinta o corpo, feche os olhos e sinta, escute ele falar. Faz um check-in e se perceba…

“No corpo, não existe nada que ” devesse ser” de algum jeito. A questão não está no tamanho, no formato ou na idade, nem mesmo no fato de ter tudo aos pares, pois algumas pessoas não têm. A questão selvagem está em saber se esse corpo sente, se ele tem um vínculo adequado com o prazer, com o coração, com a alma, com o mundo selvagem. Ele tem alegria, felicidade? Ele consegue ao seu modo se movimentar, dançar, gingar, balançar, investir? É só isso o que importa.” – é isso o que tenho… Poemas, coxas grossas, peito pequeno e tanto amor. ( N. da T.)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.