Amsterdã – Uma cidade para se apaixonar

Que a capital holandesa é mundialmente famosa por seus coffee shops e Red Light District nós sabemos. Contudo, Amsterdã é recheada de história por entre suas ruas e becos. A cidade, que já foi centro da economia mundial, hoje é conhecida por sua tolerância às diferenças – o país, na realidade, foi o primeiro país no mundo a legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a adoção de crianças por esses casais, entre outras coisas. Ok, mas o que há de bacana a se fazer em Amsterdã, Flávia? Vamos lá:

Anne Frank

Amsterdã é recheada de história e cultura e, entre elas, a história de Anne Frank. Para quem não conhece, Anne e sua família, moravam em Amsterdã e eram judeus de origem alemã que foram vítimas do Holocausto; durante a

Placas com informações da família Frank em frente ao prédio em que eles moravam.
Placas com informações da família Frank em frente ao prédio em que eles moravam.

Segunda Guerra Mundial se refugiaram em um abrigo secreto. Durante os dois anos escondidos, Anne relatava sua experiência em um diário que, anos após sua morte fora publicado. Em Amsterdã você pode conhecer tanto o local em que a família Frank se escondeu – hoje a Casa Museu Anne Frank, quanto conhecer a casa onde eles moravam antes da Guerra, que fica no bairro Rivierenbuurt. Seria um tour alternativo, uma vez que poucas pessoas tem conhecimento (inclusive os próprios holandeses, pois pedi informação e poucos souberam me ajudar). Para quem gosta do assunto, vale muito à pena. Ps.: Caso você opte pela Casa Museu, compre o ingresso online e com no mínimo um mês de antecedência, pois os ingressos voam.

Heineken Experience

Aos amantes da boa e velha breja, nada como provar o material na fonte. O tour, que é feito sem guia, dura em torno de uma hora e mostra ao visitante como a ideia surgiu, como a empresa cresceu, os prêmios conquistados ao longo dos anos e, obviamente o processo de fabricação da Heineken (e o motivo dela ter o gostinho mais amargo e único). Ao longo da jornada você se depara com máquinas de jogos, fotos e, ao final do tour, degusta algumas cervejas no espaço próprio para isso lá na fábrica mesmo. São 16 euros super bem pagos, vale bem à pena!

Walking Tour

Uma das experiências mais bacanas que já tive, ao longo desses anos viajando. Um guia se dispõe em passear por pontos da cidade com um grupo de 20 a 25 pessoas por duas horas e meia. Ao longo do percurso, a pé, ele explica a história da cidade e tira dúvidas do grupo. Aprendi bastante sobre Amsterdã nesse percurso! O tour é gratuito, contudo é essencial dar gorjeta ao guia no final, pois o salário dele vem disso. 🙂

Red Light District

Óbvio que esse bairro não pode faltar. Cheio de coffee shops e garotas de programa nas vitrines, o bairro conta história da cidade e como já esperado, é o local mais frequentado pela turistada. Caso você passe por lá, esqueça

Entre um strip-tease e outro, a banda animava o público com old-but-gold songs
Entre um strip-tease e outro, a banda animava o público com old-but-gold songs

câmeras e celulares, pois é proibido filmar ou fotografar por aquelas áreas. No bairro você encontra também os museus do Sexo e da Tortura. Optei por não ir, já que todas as reviews que li na internet diziam que não valia à pena e o guia do walking tour disse o mesmo. Ps.: Você pode também achar shows burlescos em alguns pubs/boates; homem ou mulher, super aconselho a ir, pois é coisa bem de filme!

Além dessas dicas, tem o boat ride, onde você por uma hora passeia de barco ao som de explicações históricas da cidade, que tem prédios com mais de 200 anos; os museus Van Gogh e Rijks, que são verdadeiras aulas de arte e história, além de muitos outros que não citarei aqui por falta de informação concreta hehe.

Quanto à gastronomia, Amsterdã tem uma pitada de tudo. Pode-se achar restaurante asiático, africano, sulamericano (Brasil comanda no pedaço) e, claro, fast-food.

Entre todos esses passeios, adicione pitadas de romantismo, pois a cidade tem todo o charme para tal!

DSC_0119
Amsterdã e suas casas tortas e fofas.

Língua falada: Dutch/ English / Transporte Público: Tram (espécie de trem que cruza a cidade por entre suas linhas, porém so funciona até 1am) / Moeda utilizada: Euro / Viajar sozinho para Amsterdã: tranquilo

Escrito por
Mais posts por Flávia Motta

Ano novo: cadê meu planejamento?

A cada início de ano (quase) todos nós fazemos as famosas listas...
Ler Mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *