Arquitetas invisíveis

Nos últimos 15 dias, me abasteci profundamente de tendências e contatos com profissionais da área de Arquitetura e Decoração. Em viagem à Recife, visitei as Mostras: CASA COR PE, CASA DECOR SHOW e retornando a Maceió, conferi a II MOSTRA FABRICATTO.

Observei como as mulheres cada vez mais vêm marcando presença no mercado de decoração de interiores, diferente do mercado da construção civil que ainda continuam em minoria.

Fonte: https://www.arquitetasinvisiveis.com

A ideia inicial desse texto consistia em apresentar para vocês algumas tendências encontradas nas Mostras visitadas (para conferir, vai lá no instagram @YAarquitetura que está repleto de conteúdo), mas como integrante do time de colunistas do “Projeta Mulher” para o portal da revista DUE, não haveria momento melhor para abordar esta pauta tão importante.

Ao ser questionada a lembrar de três nomes de grandes arquitetas reconhecidas mundialmente, estudadas na graduação, me vieram à mente apenas Lina Bo Bardi e Zaha Hadid. Já o repertório para arquitetos do sexo masculino, uma infinidade.

“Mulheres são como fantasmas na arquitetura moderna: presentes em todos os lugares, cruciais, mas estranhamente invisíveis.” (Beatriz Colomina, 2010)

Fonte: https://www.arquitetasinvisiveis.com/por-que-invisveis

Justamente para questionar esta falta de visibilidade feminina nas bibliografias apresentadas nas salas de aula, um grupo de estudantes de arquitetura da UNB criou o coletivo ARQUITETAS INVISÍVEIS (www.arquitetasinvisiveis.com). Através de um trabalho de pesquisa, descobriram 48 arquitetas que tiveram grande representatividade na história, mas não tiveram o devido reconhecimento de seus trabalhos devido a desigualdade de gênero da época. Como mencionado em um artigo publicado no The New York Times:

“A maioria das arquitetas do sexo feminino ouviu as histórias de horror”: a ascensão de Mies Van der Rohe ao panteão dos mestres do Modernismo enquanto Lilly Reich morria na pobreza e anonimato. Le Corbusier vandalizando a Casa E-1027, obra-prima de Eileen Gray no Sudeste da França. Robert Venturi aceitando o Prêmio Pritzker em 1991, enquanto sua companheira e sócia Denise Scott Brown não foi nem citada”. 

A pesquisa foi publicada no site Archidaily e pode ser conferida na integra através do link: https://www.archdaily.com.br/br/763358/arquitetas-invisiveis-apresentam-48-mulheres-na-arquitetura-nas-sombras.

Fonte: https://www.arquitetasinvisiveis.com/download-c1khz

“Eu ouvi coisas do tipo, ‘As damas poderiam se retirar para que possamos fazer a foto dos arquitetos?’ E eu dizia, ‘Eu sou uma arquiteta’ E eles diziam, ‘Você pode se retirar, por favor?’” Arquiteta Denise Scott Brown, em entrevista à revista de arquitetura em 2012.

Fonte: www.archdaily.com

O coletivo ARQUITETAS INVISÍVEIS representa todas as arquitetas mulheres, que têm falta de reconhecimento profissional. Segundo as fundadoras Lara Pita e Gabriela Cascelli, sonham que a história seja reescrita nos livros mais importantes de história da arquitetura, onde elas quase não aparecem e cada mulher esconde uma trajetória.

Como arquiteta, mulher, assim como diversas outras mulheres, passei por algumas situações constrangedoras em ambientes de trabalho na construção civil. Também pude presenciar a desigualdade salarial entre arquitetas que possuíam cargos com maior hierarquia que engenheiros, mas não eram valorizadas.

A transformação é lenta, mas já vem acontecendo e a luta deve continuar. Me orgulho de fazer parte desta corrente que vem unindo mulheres empreendedoras em busca de uma força feminina, que mostra que a mulher pode ser e estar, onde ela quiser.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.